Ao Outono

Ao Outono

Março 23, 2017

As mudanças de estações nos fazem refletir sobre a nossa própria vida. O frio do inverno que sai para dar espaço para as flores da primavera que ganham ainda mais cor com a entrada do verão. O outono, assim como suas estações irmãs, propõe mudanças. É a natureza estendendo à nossa mão um convite à reflexão: deixar para trás, renovar nossas folhas, permitir cair aquelas que não nos acrescentam mais, dar espaço para experiências que podem brotar a partir do momento em que nos deixamos abertos a elas.

Renovar a alma é um processo diário e o Outono nos dá a oportunidade de deixar que isso entre em nosso ser. Saudemos a chance de se desprender de tudo o que nos mantém presos a velhos hábitos, costumes passados que nos imobilizam sem motivo aparente, rotinas que apenas nos fazem repetir tudo de forma automatizada. Busquemos outras formas de nos encontrar, como as árvores fazem com suas folhas que caem. Ainda somos aquela mesma árvore, mas precisamos renovar as energias que já estão dentro de nós. Sentir o mundo e colher dele aquilo que sabemos que pode nos fazer bem, da mesma forma que é hora de afastar as negatividades internas e externas.

O Outono traz o sopro do vento das mudanças, é a estação que nos pega pela mão e nos acompanha para superar as dificuldades e acolhermos o amanhã. A vida é um ciclo que precisa ser sentido para que os caminhos apareçam em nossa frente. Abra-se, permita-se, reencontre-se.

A transição entre os extremos busca o equilíbrio e do mesmo modo que as folhas caem porque não sobreviveriam à próxima estação, precisamos compreender que ainda virá uma primavera para crescer o novo. Tom Jobim já dizia: “São as águas de março fechando o verão / e a promessa de vida no seu coração”.

As águas de março mostram que o caminho do verão já terminou, mas elas escorrem para abrir outras jornadas. Nas nossas andanças conhecemos pessoas, gostos, sons e todo um mundo diferente. Quando abrimos mão de tudo isso somente porque é desconhecido, nos privamos das descobertas maravilhosas. Deixemos o vento que vem com essa estação nos levar em direção para um novo sentido de viver coletivamente.